Tratamento de Solo


Tratamento de Solo: praticamente todas as construções interagem com o terreno do local em que estão sendo implantadas. Em regiões de terreno com características não apropriadas, podemos nos deparar com algumas situações, entre elas:

  • Necessidade de atravessar a zona problemática através da utilização de fundações profundas, entre elas: Estacas Raiz e Micro Estacas;
  • Remover o material de inadequado e o substituir por outro com características compatível com nova construção;
  • Projetar uma estrutura que seja compatível com as características do terreno;
  • Tratar o terreno de forma a incrementar suas propriedades, as adequando as necessidades do projeto.

A última alternativa é a que fornece aos engenheiros à maior gama de soluções que podem viabilizar a execução da obra. Entre alternativas de tratamento do terreno podemos destacar:

  • Colunas de Jet Grouting e suas variantes: Após executar uma pré-perfuração de pequenas dimensões até a profundidade desejada, inicia-se o processo de injeções de calda de cimento de forma ascendente sob altíssimas pressões. A calda de cimento é impelida através de um pequeno orifício localizado na parte inferior das hastes de perfuração, que combinada com a elevada pressão de injeção, aumentam significativamente sua energia cinética, criando um “jato” de calda de cimento que penetra no terreno. O resultado final deste trabalho é a criação de colunas de solo cimento que além de consolidar o maciço, também o impermeabilizam. O controle rigoroso das pressões de injeções, velocidades de subida da coluna de perfuração e suas revoluções por minuto devem ser rigorosamente controlados para a garantia da qualidade dos serviços;
  • Injeções de consolidações (resinas, calda de cimento, argamassa, polímeros): Injeção é o processo mais tradicional que existe para a consolidação e impermeabilização de maciços. Seu procedimento executivo pode ter inúmeras variantes conforme as condições geológicas, exigências de projeto e tipo de equipamentos. Entretanto, independentemente do processo adotado, a injeção pode ser resumida em algo que visa introduzir algum produto em uma perfuração através da aplicação de uma pressão externa. Em barragens é muito comum a execução de cortinas de injeções ao longo de todo seu eixo transversal, de forma a impermeabilizar o maciço. Em instalações industriais, muitas vezes se faz necessária a execução de injeções ou Jet Grouting para combater recalques diferenciais. Outra aplicação muito comum é para impermeabilização de túneis ou mesmo para reforço de suas escavações, técnica largamente utilizada nos países do norte da Europra, também conhecida por pre grouting. Controle rigoroso do volume, pressão e características do material a ser injetado são primordiais para uma boa injeção, do contrário, efeitos catastróficos podem ser observados em curto e longo prazo;
  • Bioengenharia – controle de erosão e recuperação de taludes degradados: Através do processo erosivo ocorre a destruição do solo e sua remoção do local de origem, os depositando em áreas mais baixas. Este processo geralmente é intensificado pela ação do homem através da execução de estradas, minerações ou quaisquer outras construções que alterem a geografia do local. Estas áreas degradadas precisam ser recompostas através da vegetação, a qual permita uma maior infiltração de água no subsolo e menor velocidade de escoamento das águas superficiais. Muitas vezes também é necessário o readequamento da geometria do talude para incremento de sua estabilidade global, uma vez que esta pode estar comprometida devido à erosão. Em áreas de proteção ambiental o uso de materiais industrializados, tais como concreto e aço, são proibidos, sendo então necessária a utilização de métodos naturais, tais como paliçada e muros de gravidade executados com pedras para as contenções de taludes. A escolha correta do tipo de revegetação que deve ser compatível com as características edafoclimáticas, bem como know-how específico, são fundamentais para a garantia da qualidade dos serviços, além da certeza da manutenção da biodiversidade original da região.